Special Burguer 2cows

24 Agosto, 2015 § Comentários fechados em Special Burguer 2cows

Hambúrguer especial duas vacas, é pedir ao Butcher do talho da tua rua que te pique as carninhas todas, a saber, um naco da tua alcatara em comunhão com umas entremeadas de novilho nacional. É um mix poderoso de carnes limpas com carnes gordinhas picadas em conjunto [só na mistura das carnes magras com as roliças, vais conseguir um hambúrguer gostoso e suculento, ao invés de um hambúrguer seco e entesadito]. Pede que te as passe pelo torno 2 vezes.
Molda os hambúrguers com as tuas mãos, remexendo o menos possível na chicha, de modo a que se mantenha macia. Tempera de flor de sal e pimenta preta moída na hora, 10 segundos antes das carnes irem ao castigo [da chapa]. Entretanto já me fritaste os tomates em azeite virgem extra, polvilhados de oreganos e sal grosseiro; já desidrataste de igual modo os cogumelos Paris. Vais agora montar as vacas. 1º- O pão escuro, é de malte; barrado de um queijinho da vaca que se ri; 2º- o hambúrguer passado 2 minutos de cada lado [para umas carnes rosadinhas e pingonas]; os tomates; os cogumelos; um ovo estrelado a cobrir.
BBE (#BestBurguerEver). Até te babas. Acompanhante de luxo: Cerveja Artesanal Minhota Letra C  – Stout.

DSC_3131DSC_3128DSC_3122

Raviolis de espinacas avec du queijo de cabrona

19 Setembro, 2013 § Comentários fechados em Raviolis de espinacas avec du queijo de cabrona

Primeiro vais preparar a massa e depois vai haver molho.
Numa pelengana vais meter, 150 g da branca, farinha de trigo sem fermento à qual aditas uma tequinha [ 50 g ] de sêmola de trigo, 2 ovos inteiros, não te esqueças de te livrar da casca. Vais agora por as mãos na massa e dar-lhe uns amassos, amassa, amassa, amassa até obteres uma bola uniforme, homogénea, macia mas firme. Enrola a bola em película aderente e deixa-a repousar 25 min. antes de a esticar.
Dá um escaldão aos epinafres até que fiquem tenros, escorre-lhe as águas e numa frigideira anti aderente deixa que se envolvam muito bem com o azeite virgem extra, alho em pó, flor de sal, uma colher de farinha maizena e um pouco de natas das gordas.
Tira-me a pele aos tomates; Parte-me os tomates em quarto; Espreme-me os tomates até te privares das grainhas; Corta-me os tomates em cubos; Junta-me os tomates num tacho com azeite virgem extra, uns dentes de alho, um pouco de cebola picada, polpa de tomate, um pouco de água lisa, coentros e manjericão frescos. Deixa cozinhar o molho de tomate demoradamente, em branda fervura, passa o molho com uma varinha mágica e de seguida adita-lhe uns tomates cereja escarchados e deixa cozinhar.
Agora vais estender a massa, corta a bola em 4, vais espalmar cada parte em cima dum pouco de farinha, vais esticar a massa bem fina com a ajuda de um rolo de massa ou de uma máquina para massas frescas, o importante é que fique fina, moldável, macia, contorcionista de circo, sem rasgões. Corta rectângulos de massa e recheia-os no centro, do meio para baixo, com os espinafres que preparaste previamente, umas rodelas do queijo de cabra e 3 ou 4 pinhões, puxa o lençol de massa [da parte de cima do rectângulo] sobre o recheio e fecha o casulo.
Numa panela com abundante água fervente e bem temperada com sal grosso, vais cozer os raviolis durante 3 ou 4 minutos. Escorre-lhe as águas, monta-os nos pratos e sobre eles deixa desmaiar o suculento e saboroso molho dos tomates. On top raspas no momento umas lascas de queijo parmesão. Até te lambes.
Acompanhante de luxo: EA colheita selecionada, tinto em copo fino.
DSC_3508_0124 copyDSC_3516_0132 copyDSC_3506_0122 copyDSC_3511_0127_fb

Sande d’ Choque Frite com maionese de wasabi, manjericão e cebolinho

8 Julho, 2013 § Comentários fechados em Sande d’ Choque Frite com maionese de wasabi, manjericão e cebolinho

Se não tens um choco fresco e macio estás frito!! Pede à peixeira que te amanhe o choco ali mesmo em cima da bancada. Trá-lo inteiro para o poderes cortar às fatias, nem muito grossas, muito finas também não. Sem tempero, porque é já apaladado por natureza, quando o tiveres na mão deve ter apenas a húmidade natural das suas carnes, passa as tiras pela farinha de milho e reserva. Numa fritadeira com o óleo de girassol a 190º C vais fritar as tiras até que fiquem loiras, manda abrir uma loira enquanto esperas, escorre-me o lubrificante após a espera. Usa papel grosso mas suave [de cozinha em rolo].
Barras-lhe o pandeiro, que deve ser feito de farinhas de qualidade, com maionese perfumada de wasabi, mangericão e cebolinho, aditas umas folhas de agrião amantizadas com chucha[-me]; os tomates. Em cima dos tomates as tiras de choco frito, secas, crocantes a estalar nas beiças, aspergidas de sumo do quarto de um limão.
Acompanhante de luxo Quinta do barranco longo Branco, bem fresco de preferência em flute. Com este calor, até reviras os olhinhos de prazer.

sandes choco-2sandes choco-4sandes choco-1sandes choco-3

Bruschetta d’petinga com os tomates assados e seus pimentos

19 Novembro, 2012 § Comentários fechados em Bruschetta d’petinga com os tomates assados e seus pimentos

Torras a bela da fatia de pão caseiro alentejano e ainda quente desflora-o com um esfreganço de alho roxo, rega-o de azeite virgem extra, assa os tomates às rodelas com ervas de provence, flor de sal e um fio de azeite, assa os pimentos, num fio de azeite e sal  grosso, abre a lata dos lombos da bela da petinga nacional e escorre-lhe o lubrificante mas não em demasia. Monta a bruschetta, pão, pimentos, tomates, os lombos da petinga, 5 pimentas moídas no momento e umas folhas de agrião de’água para rematar, depois siga pó bucho… sem espinhas! Acompanhante de luxo: copo tinto, Chaminé.

Ensopando o bacalhau com batata doce

22 Outubro, 2012 § 0 comentários

Preparas uma boa tomatada, e para isso tens de me pelar e esmagar os tomates, para lhes retirares as sementes. Corta-os em pequenos cubos. Uma cebola roxa picada, alho roxo, azeite virgem extra, poejo seco, polpa de tomate e um copito de vinho branco do bom. Tomatada apurada, juntas as rodelas de batata branca e batata doce de Aljezur. Podes juntar o lombo do bacalhau. 10 minutos e já cheira a bacalhau. Retira a posta e tira-lhe umas lascas [reserva]. Espeta-me as batatas. Estão cozidas? Podes juntar o bacalhau agora em lascas, os coentros frescos e uma gotas de picante calvé, apaga o fogo. Torra uma bela fatia de panito caseiro alentejano e com este, acama o prato até que esteja pronto a cobrir. Podes agora cobri-lo. Acompanhante de luxo: Herdade do Pinheiro, Branco fresquinho.

Cataplana de Bidião

12 Julho, 2012 § 0 comentários

O Bidião veio diretamente do mercado do Mindelo na ilha de S. Vicente (Cabo Verde), para a bancada do chefe. Ao soice Rena o Chefe agradece o sucedido. Filetes de Bidião sobre a tábua é temperá-los e deixá-los a marinar em  sal, pimentas moídas e um bom golo de vinho branco daquele mesmo bom. Abre a cataplana e já sem tampa, murcha-me as chalotas num bom azeite virgem, chucha[me] os tomates em rodelas, amolece[me] o pimento verde às tiras e adita vinho branco daquele mesmo bom, sal, uma malagueta de gindungo e uma boa quantidade de molho de tomate fresco aromatizado de ervas. Molho borbulhado junta as batatas (que podem variar entre doce, roxa e branca) cortadas às rodelas coloca-as em camadas, intercalando com rodelas de tomate e tiras de pimento em crú. Faz um molho de cheiros frescos, a saber: hortelã, coentros, salsa e manjericão e joga lá para dentro. Fecha a tampa da cataplana e deixa cozinhar em lume brando. 20 minutos passados salta-te a tampa e espeta a batata para aferir o estado de cozedura, rectifica o tempero se necessário. Junta os filetes de bidião no topo e uns camarões moçambicanos, volta a fechar a tampa e deixa cozinhar. Acompanhante de luxo: Herdade das Servas, Branco daquele mesmo bom, bem geladinho.

Bruschetta de Estupeta de Atum

9 Julho, 2012 § 1 comentário

Estupeta de atum, para quem não sabe, é atum conservado em salmoura e encontra-se normalmente à venda em pequenos baldes. Retira um naco de atum do balde e desfia-o com as mãos. Demolha o atum em água doce, espreme-o e muda-lhe as águas. Faz este processo consecutivamente até que o atum fique bom de sal, como saber? Provando ;). Depois de uns bons apertões e o sódio no nível certo, envolve-o com os tomates, coração de boi cortados em cubos, pimento verde cortado em cubos e cebola em cubos cortada. Leva ao frigorífico para refrescar bem.
Prepara a bruscheta torrando uma fatia de pão caseiro alentejano. Ainda em quente aplica-lhe um esfregaço de alho roxo cortado ao meio. Cobre o pão com a estupeta, rega tudo com abundante azeite virgem extra, daquele mesmo bom, ideal < 0,5º de acidez e uma boa esguinchadela de vinagre de vinho branco, eu gosto dela bem envinagrada. Acompanhante de luxúria: Caipirinha feita com Cachaça Velho Barreiro e não do Barreiro velho.

 

Lasagne Vegetariana

21 Junho, 2012 § 0 comentários

Para te facilitar a vida podes comprar umas placas de lasanha de massa fresca.
Para o Bechámel: uma noz de manteiga derretida por ti, farinha fina, pitada de sal, leite meio gordo, pimenta moída, tudo muito bem esgravulhado até obteres um molho cremoso, sucolento e gostoso.
Num tacho, murcha-me o alho francês em azeite virgem extra, chucha, os tomates em cubos, um boa colherada de polpa de tomate, courgette em pequenos cubos, cenoura em finas tiras, um pequeno cálice de um grande vinho branco, sal e ervas de provence secas. Deixa cozinhar em lume brando, uma vez cozinhados os legumes, apaga o fogo, adita os espinafres baby que vão cozinhar no leito quente dos parentes e uma mão cheia de miolo de noz. Podes montar a lasanha. Um pouco de béchamel no fundo do pirex, uma folha de lasanha de massa fresca na base, cobre a massa com os legumes e adita un petit peu de molho béchamel sobre estes, repete a operação até terminar o recheio sendo que a camada de cima deverá ser massa. Cobre a massa de topo com o béchamel e umas lascas de queijo manchego. Siga prá sauna pré-aquecida a 180º C cerca de 1/2 hora aproximadamente. Saladinha de alfaces variadas e rúcula temperada com, flor de sal, azeite virgem extra e vinagre balsâmico de modena, para te refrescar o palato. Acompanhante de luxo: Moiras – Alentejo – Syrah/Trincadeira

Patê Stº. António e sua Stª. Sardinha

13 Junho, 2012 § 0 comentários

Em véspera de Stº António não podia fugir à sardinha, mas desta vez, esgravulhada em modo Patê. Compras uma lata de filetes de sardine sem espinhas mergulhados em azeite virgem e saca-lhe a tampa. Escorre o oiro líquido mas não na totalidade. Numa tigela esgravulha os filetes com a ajuda de um garfo aditando os seguintes: uma colher de chá de manteiga de vaca com sal, uma colher de chá de mostarda dijón, uma barra de delícias do mar picada em cubos muito pequenos e finos. Já sem roupa mas com cabeça, frita em azeite virgem extra, flor de sal, umas gotas de picante calvé, alhos esmagados com casca e sumo de meia lima, uns camarões moçambicanos. Bora empratar [mas primeiro], chucha os tomates, cortados em rodelas com 0,5 cm de espessura aproximadamente. Sobre os tomates, pimento verde picadinho, flor de sal, o patê de sardinha, cebolinho picado, os camarões laminados ainda quentes [não te esqueças de chupar as cabecinhas que não foram chamadas à receita], termina com a flor dos coentros espigados on top. Rega-me os tomates com fio de azeite virgem extra e papa o petisco acompanhado de umas fatias de pão caseiro alentejano torrado . Acompanhante de luxo: EA, branco bem geladinho.

CaraPau assado em brasas de alecrim com molho à Espanhola

11 Junho, 2012 § 0 comentários

Vais ao mercado do peixe e compras uns belos CaraPaus pele de prata, e manda arranjar para assar. Chega a casa e salga o Pau até à Cara. Como mestre de fogareiro que és, prepara as brasas com caruma e pinhas debaixo do monte de carvão vegetal, não uses acendalhas se não forem ecológicas, sob risco de arruinares o carvão, tendo o petróleo como especiaria principal. Chega-lhe lume e quando o carvão estiver vivo  depois de muito dares ao punho, espalha as brasas. Com a ajuda de uma rolha de cortiça embebida em azeite, lubrifica bem as grelhas onde vais ordenar os caraPaus, cabeça com rabo, deste modo garantes que não se despem logo nos preliminares. Atira umas vagens de alecrim para cima das brasas e põe os carapaus a assar, vai rodando as grelhas com alguma frequência até que o Pau e Cara se encontrem bronzeados na perfeição.

Para a espanholada: numa taça azeite virgem extra, colorau, vinagre de vinho branco, pitada flor de sal, salsa picada e alho picado.

CaraPau assado escorre-lhe a espanhola pelo lombo. Acompanha com uma saladinha montanheira, a saber: Pepino, tomates coração de boi, cebola e pimento verde. Tudo picado em cubos tempera de sal grosso, vinagre e azeite virgem, por esta ordem. Batatinha cozida temperada de azeite e oregãos secos.

Acompanhante de luxo: Olaria branco bem geladinho.