Que massada de Cantaril!

8 Fevereiro, 2016 § Comentários fechados em Que massada de Cantaril!

Pedes à peixeira que te amanhe o Cantaril, que lhe passe a mão pla’escama e o prive das tripas. Tempera o peixe com um sal grosso marinho. Num tacho de bordas largas murcha uma cebola generosa com uma boa cabeça de alho roxo em azeite virgem extra. Adita um caldo de peixe natural, um pimento vermelho em tiras, aperta-me uns grandes tomates já maduros cortados pelo meio, afim de lhe retirares as grainhas, pica-os e junta-los ao preparado. É o momento de espremer o pacote de polpa de tomate com manjericão para dentro do tacho e aditar uma gamela de vinho branco “Monte dos Amigos”, baixa o lume e junta o peixe ainda às postas e deixa cozinhar. Retifica o tempero. Cantaril cozinhado retira-o do tacho, limpa-o de peles e espinhas e reserva. Junta água fervente e um punhado de massinhas cotovelo. Vai sempre mexendo até que a massa fique al dente. Hidrato cozido, junta o peixe em lascas e apaga o lume. Arremessa coentros frescos picados, serve-te e serve os teus amigos. Que grande massada!!
Acompanhante de luxo: Monte dos Amigos branco bem fresquinho.

massa_peixemassa_peixe2-blogmassa_peixe1

Peixe espada preto dos lombos com puré de tubérculo e broccoli ao vapor

17 Outubro, 2015 § Comentários fechados em Peixe espada preto dos lombos com puré de tubérculo e broccoli ao vapor

Pedes ao homem da Espada, que te tire uns filetes do peixe Espada que é preto, e que te os meta no pacote que vais levar para casa.
Tempera os filetes com flor de sal, coentros frescos, sumo de uma clementina e 5 pimentas moídas do moinho. Deixa-os marinar 20 minutos.
Prepara 3 vasilhas em fila, como se fosses revelar fotografias. Na 1ª em vez de revelador tens farinha fina de trigo, na 2ª em vez de banho de paragem tens 2 ovos batidos vigorosamente, na 3ª em vez de fixador tens tostas de azeite e alho que desfizeste em pó no almofariz com o teu pilão.
Passa os filetes pelos 3 tabuleiros na ordem acima referida. 1-2-3 e reserva. Frita os filetes num frigideira de bordas largas e anti-aderente, em óleo de girassol bem quente até que fiquem loiros como o papagaio da música.
O puré de batata é feito de batatas novas olho de perdiz. Coze as batatas com sal escorre-lhe as águas, desfaz os tubérculos num Passe Vite, adita leite, um pouco de natas, raspas de noz moscada e uma noz de manteiga com sal. Mexe vigorosamente até obter um puré macio, pegajoso e muito gostoso.
Os broccoli, coze-os ao vapor apenas com flor de sal.
Acompanhante de luxo: EA tinto fundação Eugénio de Almeida

DSC_3396DSC_3379DSC_3400

Dióspiro nas canelas com nozes

17 Outubro, 2015 § Comentários fechados em Dióspiro nas canelas com nozes

Já vi esta sobremesa converter infiéis em missionários desta fruta.
Tão simples e tão gostosa. Escolhes uma dióspira das moles com uma bela racha, quanto maior é a racha maior é a doçura. Desmanchas a fruta numa taça, aventas-lhe umas nozes alentejanas para cima, que partes ali mesmo no momento e polvilhas o doce com canela [que não de pau feita] em pó.
Já está!
DSC_3407DSC_3423DSC_3418

Tortellini de espinacas e requeijão de ovelha em Pesto

11 Outubro, 2015 § Comentários fechados em Tortellini de espinacas e requeijão de ovelha em Pesto

Sem dúvida, um dos melhores sabores que já viram passar por aqui! Pura magia pró palato.
Vamos ao retrato robot.
Para a massa dos Tortellinis 180g de farinha sem fermento e 2 ovos médios. Arregaça-me as mangas e toca a amassar até que a massa te devolva um toque languido e macio. Embrulha o esférico em glad e leva-o ao fresco durante 20 minutos. Retira a massa do frigorífico e corta-a em 4.
Cada pedaço é polvilhado com farinha e achatado com a palma da tua mão. Vais passar pela máquina [de esticar massa fresca] cada bocado, transformando massa em finas placas de hidrato [começa pelo nº1 e vai até ao 6]. Coloca folhas de manjericão sobre cada placa e junta as extremidades da massa fazendo uma “sandes” de folhas de manjericão e volta a passar pela máquina na posição 5. Tens agora finas placas com folhas de manjericão dentro. Com um aro de metal vais cortar a massa em quantos círculos ela te der. Vamos agora rechear o centro de cada um com um pouco de espinafres bebé e um pouco de requeijão de ovelha de Azeitão DOP. Faz agora pequenas meias luas e junta-lhes os vértices para formar os Tortellini. Numa grande panela, abundante de água fervente e bem temperada de sal grosso, vais cozê-los durante 4 minutos.

Para o Pesto: vais meter dentro dum processador um punhado bastante generoso de folhas de manjericão, aditas uma boa golada de azeite virgem extra, flor de sal, miolo de noz, alguns pinhões torrados, um bom bocado de parmesão ralado no momento. Podes processar. 1 … 2 … 3 … Prova e rectifica o tempero se for caso disso.
Envolve a massa ainda quente no molho. Junta mais umas raspas de parmesão e um fio de azeite para rematar. A carne é fraca, mas o molho é uma maravilha.
Esta Maravilha merece mesmo para companhia [além da Alice du Chef], uma acompanhante de luxo: Cartuxa tinto por volta dos 17º C.
Até te mete o palato aos saltos.

DSC_3363DSC_3374DSC_3359

Pernão de Borrega assada no forno e seus legumes

6 Outubro, 2015 § Comentários fechados em Pernão de Borrega assada no forno e seus legumes

Bem-vindos aos almoços familiares de domingo enquanto a chuva castiga a vidraça.
Temperas o pernão no sábado à noite, com o quê?
A saber: metes a mão na perna e aplica-lhe uma esfrega de sal grosso e um lubrificante de azeite virgem extra, aromatizado de 5 pimentas, pimentão doce, ervas de provence e alho em pó.
Às entre-carnes arretalhadas pelo teu talhante, aquando a preparação da perna, aditas bastantes dentes de alho [roxo nacional] esmagados, cebolas bebé cortadas pela metade, algumas folhas de louro e alecrim.
Já no domingo antes de levares essa borrega à sauna, banhas-lhe abundantemente o pernão com um bom vinho branco de uva moscatel Vale dos Barris -da Adega de Palmela.
Siga para o forno a 180ºC durante 1h45min. Deves dar algumas regadelas com seus sucos durante a assadura.

A abóbora manteiga, as cebolas bebé, a courgette, a batata doce, a batata branca e as cenouras  são cortadas em pequenos sólidos geométricos, colocados num pirex e temperados com um bom sal marinho, moinho 5 pimentas, ervas de provence, azeite virgem extra e um copo de vale dos barris branco.
Ao forno 1h20m ocupando o andar de baixo da vizinha perna.
O almoço está servido! Além da familia, acompanhante de luxo: Monte dos Amigos – Select – Tinto

DSC_3336DSC_3323

Borracho Bravo corado e a sua canja

3 Outubro, 2015 § Comentários fechados em Borracho Bravo corado e a sua canja

Em agosto abriu a caça à rola e ao pombo, o que hoje aqui vos trago é um borrachinho bravo. Foi caçado no Azinhal – Alcoutim e fornecido, já sem fato, pelo progenitor do Chef.
Na pressão cozes o pombinho durante 25 minutos num caldo (água) enriquecido com sal, cenoura, cebola, rodelas de chouriço [de porco preto], uma folha de louro, 3 dentes de alho, um raminho de hortelã e um fio de azeite virgem.
Cozido o borracho, retira-o do banho e deixa-o repousar, ao caldo junta umas massas pevide que deixas inchar ao lume durante 10 minutos aproximadamente. Canja feita!
Agora vamos fazer corar os peitinhos e as costas do pombo, numa frigideira em azeite virgem, muitos dentes de alho roxo esmurrados com casca e uma noz de manteiga. Voilà! Uma delícia para celebrar o outono.
Acompanhante de luxo: Monte da Pesseguina tinto

DSC_3273DSC_3266DSC_3282

Chili Curry Tailandês e malagueta Algarvia

25 Agosto, 2015 § Comentários fechados em Chili Curry Tailandês e malagueta Algarvia

Uma cebola avantajada, picada em unidades simétricas, esturgida no azeite virgem extra com 5 dentes de alho roxo e 3 colheres de chá de pó de caril ‘wild’, generosamente trazido [pela Sú] para o lecuduchef de terras tailandesas. Cebola transparente, aditas a carne de gado vacum, limpa [de qualidade superior] e picada. Deixa as carnes bronzear. Carne bronzeada, juntas a  polpa de tomate que  levas ao tacho directamente no pacote. Deixa apurar um pouco e junta um copinho de 3 de vinho branco vale dos barris da Adega de Palmela, adita o pimento verde [dos pimenteiros] em palitos iguais, o tomate fresco [e tomateiras do chef respectivamente] cortado aos cubos privado das sementes, e uma malagueta seca vinda directamente das plantas bem tratadas da horta da ‘Barriguita’ plantadas em terras algarvias, [é fogo]. Juntas por fim uma lata sem lata de feijão encarnado Compal. Abranda o lume e deixa apurar.
Nota importante: cozinhar este petisco sempre com o tacho destapado.
Faz um arroz [agulha] branco que não seja sofrível e sem saborão. Precisas fritar o arroz no azeite perfumado com alho em pó e adicionar o dobro da água [já a ferver directamente da kettle] em relação à quantidade de arroz. Tempera com sal. Tapa o tacho e espera que coza 8 minutos aprox. Compõe com uma salsa picada no momento e uma gotas de lima para te aliviar e refrescar o fogo.
Acompanhante de luxo; Vinho branco de uva moscatel Vale dos Barris da Adega de Palmela.

DSC_3138DSC_3140DSC_3153

Special Burguer 2cows

24 Agosto, 2015 § Comentários fechados em Special Burguer 2cows

Hambúrguer especial duas vacas, é pedir ao Butcher do talho da tua rua que te pique as carninhas todas, a saber, um naco da tua alcatara em comunhão com umas entremeadas de novilho nacional. É um mix poderoso de carnes limpas com carnes gordinhas picadas em conjunto [só na mistura das carnes magras com as roliças, vais conseguir um hambúrguer gostoso e suculento, ao invés de um hambúrguer seco e entesadito]. Pede que te as passe pelo torno 2 vezes.
Molda os hambúrguers com as tuas mãos, remexendo o menos possível na chicha, de modo a que se mantenha macia. Tempera de flor de sal e pimenta preta moída na hora, 10 segundos antes das carnes irem ao castigo [da chapa]. Entretanto já me fritaste os tomates em azeite virgem extra, polvilhados de oreganos e sal grosseiro; já desidrataste de igual modo os cogumelos Paris. Vais agora montar as vacas. 1º- O pão escuro, é de malte; barrado de um queijinho da vaca que se ri; 2º- o hambúrguer passado 2 minutos de cada lado [para umas carnes rosadinhas e pingonas]; os tomates; os cogumelos; um ovo estrelado a cobrir.
BBE (#BestBurguerEver). Até te babas. Acompanhante de luxo: Cerveja Artesanal Minhota Letra C  – Stout.

DSC_3131DSC_3128DSC_3122

Ensalata burrata nos tomates cherry

3 Julho, 2015 § Comentários fechados em Ensalata burrata nos tomates cherry

Una burrata de bufala, cortada às postas entrepostada de tomatinhos [acho que já te perguntei em posta anterior, mas nunca é de mais repetir].
-Gostas de tomates? Cherry.
Moinho 5 pimentas, folhas de basílico e azeitinho do extra virgem para te olear esse queijo todo. Podes te lambuzar  acompanhada de uma torrada de pão caseiro Alentejano e d’um   belo flute de Mateus emotions, Geladini. O verão escorre em tua boca.
DSC_2480DSC_2479DSC_2470

Bruschetta de Sardines da grande lata. Sem espinhas

13 Junho, 2015 § Comentários fechados em Bruschetta de Sardines da grande lata. Sem espinhas

Em lides de Stº António e meneios de bailarico, chega a sardine [que não on’Carbón] à bela da fatia de pão alentejano [cabeçudo], previamente torrada e esfregaçada com a tua cabeçinha de alho roxo.
A Sardinha é sem espinhas, sai viçosa da lata, aterra sobre alface verde, roxa, azeitonas, manjericão fresco picado e pergunta-te:
– Gostas de tomates, cherry?,
e tu chegas-lhe com oregãos ao lombo esfregados directamente del palo. Por último, toda essa luxúria deve ser dourada com azeite virgem extra da Herdade do Esporão.
Acompanhante de luxo: Vale dos Barris branco de uva moscatel.

bruschetta-sardinha-1 copybruschetta-sardinha-8 copybruschetta-sardinha-9 copy